Conselho cobra ações de prevenção à covid-19 em comunidades quilombolas de SC

Casos suspeitos em regiões de Paulo Lopes e Garopaba fizeram entidade que representa populações afrodescendentes pedir medidas de atendimento nesses locais

Expansão do vírus pode ser favorecida por baixas condições sanitárias de comunidades quilombolas de SC
Expansão do vírus pode ser favorecida por baixas condições sanitárias de comunidades quilombolas de SC

(Foto: Handout / National Institutes of Health / AFP)

O Conselho Estadual das Populações Afrodescendentes de Santa Catarina (Cepa) encaminhou ofícios à Secretaria de Estado da Saúde e às secretarias municipais da área em Garopaba, no Sul de SC, e Paulo Lopes, na Grande Florianópolis, pedindo adoção de medidas de proteção contra a covid-19 em comunidades quilombolas localizadas nessas cidades.

O presidente do Cepa, Márcio de Souza, afirma que recentemente foram constatadas suspeitas de covid-19 nessas comunidades, o que aumentou a preocupação com a prevenção à doença nesses locais. Segundo ele, uma suspeita chegou a resultar em morte no Quilombo Santa Cruz, em Paulo Lopes, e outros três casos suspeitos ocorreram no Quilombo Macacu, em Garopaba.

– O que mais preocupa é que nessas comunidades a qualidade de vida é baixa, há indigência social e aglomerado de pessoas, onde cuidados, orientação e condições sanitárias são péssimas, então tem todo o cenário para o vírus prosperar ali. Sem água, sem saneamento básico, com escolaridade bastante elementar. Tudo isso confere uma possibilidade de termos um quadro preocupante – aponta o presidente do conselho.

Diante disso, o Cepa pede ao Estado e aos municípios garantia de atendimentos e de isolamento dos casos suspeitos de covid-19 nas comunidades quilombolas. 

A entidade ainda não recebeu resposta dos municípios sobre o atendimento e as medidas de proteção solicitadas para essas comunidades.